09
Mar
05

Há mesmo dias em que ficar em casa (2ª Parte)

“Descando” a puta da bici – esse meio de locomoção fantástico que fode as sapatilhas todas – e encontro o segundo gay italiano do dia. Um gajo que me pergunta na sua língua, como se fosse a merda mais emocionante e mais apaixonante e mais empolgante e mais cativante e mais (coisas acabadas em “ante”), como “elefante” e “de rompante” ou “turbante”:
– Olha jovem, tu não estás interessado em saber mais sobre o comunismo marxista na Ásia, incidindo mais na China??? – ao que eu respondi prontamente e sem nenhum “ante”:
– Hum… tipo… NÃO?! – Mas este era (como a maior parte dos) de extrema esquerda, mais que insistente, era: CHATO CUMÓ CARALHO! Mas eu não perdi a minha postura educada e face às incursões e investidas do representante da “Juventude Animada Comunista Perdida Algures no Século XX”, disse-lhe, “Pah, mas eu nem sequer sou italiano…” na esperança de funcionar (porque com as promoções no Auchan, nas da TVcabo (de cá) e nas do cartão de desconte das livrarias, funciona) e o dissuadir, mas nada… a este nada! Continuou a tentar encaixar-me um folheto vermelho nas mãos e a descarregar informação, mais devagar claro, depois de pedir desculpa e estar a falar demasiado rápido para um estrangeiro. Continuou:
– Ah! Mas nós estamos a internacionalizarmos e não somos nada racistas (numa alusão à extrema direita, crescente em Itália), por isso és bem-vindo à conferência desta tarde! Ali, ali – disse o gajo com um brilho de emoção nos olhos enquanto apontava para um arco, tipo miniatura do arco do triunfo, como se relembrasse grandes discursos Marxistas debaixo da estrutura), no Arco del Portello
Ora, chega à página tantas, o gajo saca duma caneta esperando que em alguma parte eu lhe disparasse um nome e um cognome (apelido) para me inscrever na dita palestra. Eu aqui, confesso que comecei a animar-me e a achar piada; porque o meu dia tinha começado mal, mas este gajo queria insistentemente animar-me com uma charada sobre comunismo marxista. Então eu disse-lhe que era português e ele, nada incomodado respondeu:
Ma tu sei comunista? – pergunta que lhe ardia nos lábios desde o momento em que me pôs os olhos em cima e decidiu abordar-me. Ao que eu respondi, de maneira a que ele entendesse bem, algo que já tinha ouvido de mim:
– Hum… tipo… NÃO?! – mas breve ele arranjou desculpa para que eu não tivesse as mesmas suas afinidades, como se fosse óbvio que toda a gente deveria ser marxista, mas que só o não era por certas e determinadas variáveis geográficas ou educacionais, alheias ao individuo em si, porque me diz, – Ah pois, é que em Portugal, existe uma grande tradição… – e calou-se. Como se fascista, a palavra fascista quase lhe estivesse a brotar do palato, quase diria a maior blasfémia que o seu credo vermelho conhece!
Desiludi-o muito aí. Porque vi nos seus olhos, um brilho a esvair-se, uma sinistra tristeza aparecer, como se esperasse um “Está descansado que não sou fascista, como muitos são aqui neste teu país!”, mas propositadamente não lho disse, sorri maliciosamente, como se o tivesse esfaqueado vestido das suas cores, e perguntei-lhe eu:
– Olha lá, e Cuba? Que pensas de Cuba? – queria ver até que ponto era culta esta personagem, que ideias tinha, se apesar de ser comunista teria alguma coisa para me ensinar ou fazer ver para além das sua querida utopia morta.
– Ah Cuba… Cuba não é comunista! – Ah não??? Não sabia. – Nós, marxistas vemos Cuba como uma sociedade debaixo duma ditadura capitalista (mais uma), mascarada pelo comunismo!
– Então mas é em Cuba que os indivíduos são mesmo todos iguais pah! Educação grátis, saúde grátis, alimentação, tudo o que o estado não considera superfulo, como tabaco, rum, carros… infelizmente para eles.
– Ah não! Aqui por exemplo, saúde também é grátis, porque pagamos taxas, impostos. Eles lá também pagam! – E neste momento decidi não insistir mais com um gajo que se dizia comunista (e imagino eu até que ponto embrenhado nos seus ideais) mas que demonstrava claramente estar mal informado sobre o país que claramente conseguiu chegar mais perto da utopia comunista, na prática. “Afinal é um daqueles comunistas de espírito conspurcado pela gigantesca máquina de propaganda americana… Tristeza: Cuba não é comunista!” pensei eu, enquanto ele me dizia, “Sim, Cuba é um país liderado por uma pequena oligarquia capitalista governativa”… Pobre de espírito, meu caro, pensei eu. Perdi imediatamente o interesse, enquanto ele ainda tentou levar a conversa para a ex-URSS e a China, mas não dei troco.
Não quis ser rude e dei-lhe um nome e morada falsos, e quanto a celulare, disse não ter. Mas como sou sub-normal de vez em quando e me distraio, disse-lhe que me chamava Borges, porque não me lembrei de mais nenhum apelido sem ter de pensar de maneira a não parecer natural e soar a inventado ou pensado.
– BORGES!!! – Saltou ele. – Ma tu sei Borges! Bravo! – Ya, pah… fui parvo em dizer-te isso. Borges esse grande comunista… Mas o meu encanto por ele saber quem foi Borges, ou algo sobre ele depressa se esvaiu em letargo frustrado… Escreve no seu folheto para depois me contactar “BORJES”, com jota. Eu tristíssimo digo-lhe “Borges é com guê…”, afinal o pregador-comunista-marxista nem Borges sabia escrever.

Estes comunistas sempre tiveram uma queda para a vitimização, acho. Então a China é comunista mas Cuba não! Porque? Só porque em Cuba devido ao regime não morrem aos milhões como na China e como (foi) na Rússia? Por isso não tem os requisitos mínimos para a considerares comunista? Bem… Na Rússia e na China a oligarquia nunca existiu, realmente. Basta hoje olhar para Yeltsins e Abramovichs e Fedorichevs!!! E va-se lá saber quantos mais “oligarcas” riquíssimos aparecerão se um dia o regime na China cair e se puder ver o que lá anda por baixo do véu vermelho do comunismo… Realmente há que sofrer para se ser comunista! Por isso, e por outras coisas, é que eu sempre fui muito estéril a estas doutrinas incongruentes de esquerda…

Fui embora, almoçar à cantina com o resto dos portugueses, e nem uma palavra sobre isto lhes disse. Há realmente manhãs que não deviam existir.

Para quando, jovens saudáveis de óculos de sol, charme q.b. e sorriso cativante na rua com listas de inscrições Parrraxistas?? Isso é que era giro… pregador-parrraxista-fundamentalista… 😛

Nexis

Anúncios

5 Responses to “”


  1. 1 LV-426
    Quinta-feira, 10 Março, 2005 às 01:06

    LLLLLLLooooooooooLLLLLLLLLLLLooooooooooooLLLLLLLLLooooooooooLLLLLLLL

    Lindo, Magnífico, Divinal!

  2. 2 Zupaxis
    Quinta-feira, 10 Março, 2005 às 11:18

    LOLOL, mt komiço mm, so mm essa kabeça pra dar konbersa a esse gaijo, havia d ser kmg, eu limitava-me a responder-lhe:

    “gostiei miutio de te conhocere, maji num piarlo itialianio!!”

    Nesta situação dava jeito k na tua mesinh-d-cabeceira estivesse uma das tais revistas “gina”, podias-t lembrar dalguma “artista” e davas o nome dela…

    Never_Born

  3. 3 Never_Born
    Quinta-feira, 10 Março, 2005 às 11:19

    gralha : ñ é “komiço”, é “kómiko”

  4. 4 Anonymous
    Sexta-feira, 20 Maio, 2005 às 02:12

    Sim claro…Eu desafio é alguem que me mostre um Cubano com um dente cariado,ou um Cubano de estomago vazio,ou ate mesmo algum q nao tenha um diploma na mao ou venha a ter..quando mesmo a noroeste dessa ilha teem um pais com 25% de SUBPOBREZA infantil e onde quem nao tem dinheiro para pagar um seguro medico ve o filho a morrer lentamente a porta do hospital..mas calculo q nao seja isso q mostram nos filmes!(quanto a isso,penso q vos faz falta ver “Os diarios de Che Guevara” ou “Fahrenheit 9/11”)..Quanto ao resto,penso que cometeste uma gralha,Fedorichevs e Abrahmovichs nao enriqueceram a custa do comunismo,mas sim devido a Perestroika(queda do comunismo)e a consequente subida de outro “ismo” que infelizmente domina o nosso mundo: Capitalismo. Nao venho aqui de maneira alguma apoiar sociedades que pecaram na maneira como aplicaram o comunismo,exemplos da China, e ate mesmo da propria ex Urss aquando da ditadura de Stalin. Nao defendo de maneira nenhuma sociedades q ate hj aplicaram o comunismo opressivamente(e onde vos encontrais o alibi perfeito de incriminacao comunista),a culpa é da natureza humana,se fosse criada a doutrina perfeita,o Homem encontraria sp mil e uma maneiras erradas de a aplicar..
    O que é inegavel é que o comunismo e tds as suas figuras sofrem de um estigma incuravel na nossa sociedade,imposto obviamente por quem a controla(qem sera?),e de uma TREMENDA e ENORME falta de conhecimento das pessoas em relaçao ao que ideologia fala(se interessados,ler Karl Marx)..Digamos q o perfil das figuras comunistas tb n ajuda,mas seria impossivel de se mudar,pois nao nos esqeçamos q desde sp foram pessoas que lutaram contra “rumos e mares”..Se talvez mudassemos o nome de “comunismo” para “justismo” ou “partilhadorismo”(sim pq inegavelmente é disso q se trata) acredito q algo mudasse,mas temporariamente(rapidamente se geraria novo estigma por causa dos gigantescos lobbies..)…Penso,sobretudo,q o comunismo é uma ideologia, um estado de espirito.. Quanto a ti caro Nexis,lanço esta pergunta: se tivesses 2 paes e um amigo teu tivesse fome,dar-lhe-ias um dos teus paes?

    Tenta agora ver isto numa perspectiva Mundial muito mais grave,muito mais extrema e muito mais radical..Em que numa sala com 30 pessoas,uma tem os paes quase todos,e as restantes 29 teem umas migalhas e um sibo de codea.

    “Os recursos Mundiais sao escassos e limitados” (Karl Marx)

  5. 5 Anonymous
    Sexta-feira, 20 Maio, 2005 às 02:50

    Darias o pao?Serias Comunista? (Comun- bem Comum) ..


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: